Feeds:
Posts
Comentários

Este post espaço de trocas é um lugar para podermos partilhar o que vem pela frente, uma nova criação da Balangandança Cia. Aqui vamos dividir com o público registros variados dos integrantes da Cia. Acompanhe!

Textos

o que é próprio ao vínculo?

por Alexandre Medeiros

Começo a escrever esse breve relato sobre a primeira etapa do projeto “presente! vaivém do tempo” partindo de uma questão: o que nos vincula uns aos outros? Essa pergunta e desejo de investigação está contida no projeto como proposta.

Dito isto, parto da ideia de que aquilo que nos vincula a algo é o modo como somos afetados por ela. Por afeto tomo aqui, as emoções e sentimentos no momento mesmo das interações que podem acontecer com as crianças quando estamos com elas, seja em um momento de aula/oficina/pesquisa em alguma comunidade/instituição, seja em um momento de interatividade em um trabalho cênico da Cia. Ser afetado por algo ou alguém é também um modo de estar em relação àquilo que nos toca, assim, por afeto entendo tudo aquilo para o qual o corpo é chamado a responder, nesse sentido é a relação incessante de nosso corpo com outros corpos e quaisquer relações que daí se possa estabelecer.

Assim, falar sobre o vínculo é também dizer sobre aquilo de que nos aproximamos ou distanciamos, tem a ver com estar presente e envolver-se situacionalmente com o que nos convoca. Quando estamos atuando/dançando cria-se um espaço dentro do tempo que nos remete à vivência do tempo como experiência, é o mesmo tempo da experiência vivida no brincar ou no jogar, por exemplo. Tal modo de viver o tempo abre um espaço dentro da obra que é o da possibilidade de experimentar e ativar nossa faculdade imaginativa e é nessa possibilidade de encontro no qual a faculdade imaginativa está aberta que podemos nos vincular uns aos outros e ter a experiência conjunta de estarmos vivendo um tempo comum; é uma experiência única e comum que nos vincula uns ao outros.

O mesmo pode ocorrer em uma oficina ou em um encontro com crianças e adultos a que nos propomos, pois está implicado aí a possibilidade de abertura para viver e partilhar das experiências comumente. É esse estado/qualidade de abertura para estar presente e colocar-se integralmente em relação ao que nos convoca que faz com que o vínculo também aconteça de maneira mais ou menos intensa. Já as intensidades dos vínculos é aquilo que nos move em sua direção ou nos distanciam.

Entendendo aqui a aproximação e a distância também como relações espaciais entre os corpos; com isso nossa experiência subjetiva daquilo que lemos nas relações também se dá a ver de modo espacial no mundo objetivo… sem querer concluir, fico pensando que àquilo a que nos vinculamos tem suas raízes nos afetos, nas relações espaciais que aproximam ou distam e suas reverberações no campo das relações humanas…

Palavras depois da apresentação do espetáculo “Ninhos” – performance para grandes pequenos em Triunfo – PE. Junho de 2017.

por Clara Gouvêa

“Ninhos” fala sobre afetos. Voar pelo Brasil e sentir a abertura de cada grupo de crianças e adultos que encontramos, diz muito sobre nosso povo que é muitos povos. Em Triunfo já vendo as crianças brincando na praça, sentia a abertura delas para o “voo”. Uso a palavra voo entre aspas como sinônimo de abertura para o mundo. “Ninhos” tem toco, tem toque, tem pele, tem bico, tem mão, pata, abraço. Tem o acolhimento do encontro. Tem o jogo dos intérpretes de transitar nas imagens, na música e dança, nas brincadeiras, no voo, no lugar de descanso, na observação das coisas grandes e das coisas pequenas. Quando sinto que estou “porosa”, aberta e viva, aí estou em “Ninhos”. Dá tempo de voar e aquietar um pouco. Tem tempo de suspender o Tempo e o Silêncio.

Materialidades

por Alexandre Medeiros

Entrar na água. Mergulhar, flutuar, brincar com a densidade do movimento dentro da água. Estar molhado. Ter frio e calor. Corpo arrastando na água e na areia. Flutuar na onda e esconder-se quando ela sobe e desce. Aproveitar a onda para ir saindo do mar como um bicho/peixe/jacaré/monstro. Sair do mar. Correr, girar com os braços abertos. Grandes e pequenos círculos. Galhos. Equilíbrio de galhos nas mãos ao caminhar e correr. Galhos espetados na areia…

Pedra, pedra esconderijo, pedra casa, pedra monumento, pedra abrigo, pedras enormes. Texturas ásperas, alturas, calor e frio. Paredões de pedras. Chapadas. Cores ocres, avermelhadas, precipícios, espaços a perder de vista.

Quedas d’águas. A força da queda. O vento, o estrondo, medo e coragem. Limites que o espaço nos oferece. O fascínio que as quedas d’água nos causam. O frio gélido das águas de cachoeiras, o frio suportável das águas, o prazer com o frio da água e com o calor do Sol. O som das águas em seu fluxo.

Aquilo que figura imenso.

________________________________________________________________

LogoBalang9-20ANOS oficial

“Presente! vaivém do tempo”, projeto contemplado pela 21ª edição do Programa de Fomento à Dança da Cidade de São Paulo em 2016.

 

Neste ano tivemos a oportunidade de realizar o 6º Fórum “forinho”, e pudemos contar com a participação das pesquisadoras Adriana Friedmann, Jussara Miller e Florencia Delgado. Tal proposta foi possível de ser realizada dentro do projeto “Presente! vaivém do tempo”  viabilizado na 21ª edição do Programa de Fomento à Dança da Cidade de São Paulo.

O evento foi realizado no Itaú Cultural no dia 28 de março deste ano e agora está disponível para o acesso público, bem como os textos produzidos pelas palestrantes que podem ser encontrados nos links abaixo:

Textos: “As camadas profundas do brincar” – Adriana Friedmann –https://drive.google.com/open?id=0B4VNiWWr2iHOZmlOVXNGcm5TMzA

“Improvisação: impulsos em um processo criador” – Jussara Miller –https://drive.google.com/open?id=0B4VNiWWr2iHOUnVKWHpNUmJqMlU

“Habilitar para habitar la experiencia del cuerpo”  – Florencia Delgado – https://drive.google.com/open?id=0B4VNiWWr2iHOWGY1RThDdnhyYWc

Todo material dos Fóruns anteriores podem ser acessados em https://dancaemjogo.wordpress.com/forum/

Compartilhe!

FLYER rodape-5

Amanhã é o dia do 6º “forinho”, venha fazer parte das discussões e compartilhar questões sobre arte, educação e cultura! Um evento que começas as 15h com a palestra  Caminhos da Pesquisa: a Dança em Jogo, promovida pela Balangandança Cia. e logo depois às 18h30 a Mesa de debates com Adriana Friedmann, Jussara Miller e Florencia Delgado, a mediação é de Georgia Lengos.

Acesse os textos das palestrantes:

Textos: “As camadas profundas do brincar” – Adriana Friedmann –https://drive.google.com/open?id=0B4VNiWWr2iHOZmlOVXNGcm5TMzA

“Improvisação: impulsos em um processo criador” – Jussara Miller –https://drive.google.com/open?id=0B4VNiWWr2iHOUnVKWHpNUmJqMlU

“Habilitar para habitar la experiencia del cuerpo”  – Florencia Delgado – https://drive.google.com/open?id=0B4VNiWWr2iHOWGY1RThDdnhyYWc

flyer forinho - itaú completo

Neste mês de março damos continuidade às ações de 20 anos da Cia. pelo projeto “Presente! vaivém do tempo”, realizando a sexta edição do Fórum “forinho”- o Brincar, a improvisação e a Dança, no Itaú Cultural, dia 28 de março –  itaucultural – agenda – VI forinho – o Brincar, a Improvisação e a dança para crianças.

Venha participar da programação que começa às 15h com a PalestraCaminhos da Pesquisa: a Dança em Jogo” , em que  vamos conversar sobre o olhar e a escuta da/pela criança permeando processos criativos e transformadores da linguagem artística da Balangandança Cia., e logo depois às 19h realizaremos a Mesa de debates, que neste ano contará com a presença de Adriana Friedmann (pesquisadora das temáticas da infância e de suas linguagens expressivas) que abordará o tema Brincar, com Jussara Miller  (bailarina, coreógrafa e educadora) que falará sobre a Improvisação e Florencia Delgado  (bailarina, criadora e gestora em dança contemporânea no Uruguai) falará sobre a Dança. A mediação ficará a cargo de Georgia Lengos, diretora da Balangandança Cia.

Acesse os textos norteadores das falas das palestrantes:

Textos: “As camadas profundas do brincar” – Adriana Friedmann –https://drive.google.com/open?id=0B4VNiWWr2iHOZmlOVXNGcm5TMzA

“Improvisação: impulsos em um processo criador” – Jussara Miller –https://drive.google.com/open?id=0B4VNiWWr2iHOUnVKWHpNUmJqMlU

“Habilitar para habitar la experiencia del cuerpo”  – Florencia Delgado – https://drive.google.com/open?id=0B4VNiWWr2iHOWGY1RThDdnhyYWc

E ainda, venha participar da oficina “De pés para o ar” dias 25 e 26 às 14h e assistir “ninhos”- performance para grandes pequenos às 16h.

flyer forinho - itaú completo

 

 

 

Forinho logo 4 edição

5º Fórum “forinho”: o Brincar, a Improvisação e a Dança, foi realizado no dia 27 de outubro de 2015 no Itaú Cultural (Instituição parceira desde a primeira edição). Essa ação fez parte do projetoCabeceiras: onde nascem os rios e repousam as cabeças”, contemplado pelo XVIII Programa de Fomento à Dança da Cidade de São Paulo. O 5º Fórum MESA, teve como convidados especiais para falar e discutir sobre os temas propostos as pesquisadoras Lidia Hortélio (Salvador/BA), Dudude Hermann (Belo Horizonte/MG) e Andréa Fraga (São Paulo, SP), a mediação foi de Georgia Lengos / Balangandança Cia.

Acreditando na  importância de realizar pontes entre a teoria e a prática e fomentar espaços de diálogos junto aos profissionais da arte, cultura, infância e educação, disponibilizamos o vídeo do evento. Acesse.

Parte 1

Parte 2

Parte 3

V FORINHO LOGO 1

logos cabeceiras

O ano de 2015 foi para a Balangandança Cia. de muita aprendizagem, aprofundamentos em reflexões filosóficas sobre arte, infância, liberdade e política; igualmente, um ano em que tivemos contato com crianças indígenas da aldeia Krukutu e crianças caiçaras da comunidade de Picinguaba. Esses encontros com crianças e adultos nos abriram horizontes e questionamentos de raízes culturais, socioeconômicas, imaginárias e mnemônicas. Além daquelas relacionadas ao movimento no contato com o meio ambiente e suas reverberações espaço temporais.

Desse modo, o projeto Cabeceiras” vem seguindo seu curso e propósito, ou seja, ser fonte de novos questionamentos e rumos a seguir na pesquisa em dança contemporânea para/com crianças.

Desejamos poder compartilhar ainda mais dos frutos deste projeto em 2016, haja visto que em 2015 aconteceram a quinta edição Fórum “forinho: o Brincar, a Improvisação e a Dança”, tendo à Mesa de falas e discussões, pesquisadores como Lydia Hortélio, Dudude Hermann e Andréa Fraga; a palestra “Caminhos da Pesquisa” – o olhar e a escuta da/pela criança permeando processos criativos e transformadores da linguagem artística da Balangandança Cia. e os processos vividos com o Forinho Extensões, três oficinas abertas ao público, promovendo encontros com os pesquisadores Gandhy Piorski Aires, Dudude Hermann e Fernando Milton de Almeida.

Agora estamos na fase final do projeto, percorrendo um leito caudaloso donde se anuncia a imensidão.

O convite para compartilhar pensamentos e dialogar continua aberto. Sempre.

Um ótimo 2016 a todos!

logo-balanga-roxo-4

logos cabeceiras

chamada palestra balangaschamada MESa 5 forinho